Artigos anteriores…

17-Jan-2009

Pela cozinha Checa…

Demasiado rica para se poder descrever. Para ser franca, surpreendeu-me.

A sua revelação foi doce e de fácil apetite.

dsc01141

07-Dez-2oo8

A História do Chá

Descoberto na China há 5ooo anos…

Diz a lenda que foi o imperador Sheng Nong, aquando preaocupado com as epidemias que devastavam o Império, ordenou que se fervesse toda a água que se quissesse consumir. Certo dia, quando passeava pelos seus jardins, pediu que lhe fervesssem água enquanto descansava debaixo de uma árvore. Enquanto esperava que a água arrefece-se, algumas folhas vindas de uns arbustos caíram dentro do seu copo, atribuindo à água uma cor acastanhada. O Imperador surpreendido, provou e deparou-se com um agradável sabor.  A partir deste momento o chá passou a fazer parte de um ritual e foi introduzindo-se o seu gosto pelo povo.

É certo que cada lenda costuma ter sempre algo de verdade, apesar da história poder ser um pouco romanceada daquilo que de facto aconteceu No entanto, a origem do chá remonta ao período imediatamente antes da ascensão da Dinastia T’ang ao poder, entre os anos 618 e 906.

Durante esta Dinastia, assistiu-se à difusão de uma bebida feita pelos monges budistas.[ Bebida esta, vinda dos Himalaias, planta de nome científico Camellia Sinensis, que crescia em estado selvagem nesta cordilheira asiática.]

Segundo os relatos de um monge budista japonês Ennin, por volta do século IX, o chá já fazia parte dos hábitos dos chineses. Na mesma época, um monge budista chinês, de nome Lu Yu, escreveu o primeiro grande livro sobre chá, chamado Ch’a Ching, onde são descritos os métodos de cultivo e preparação usados no Império.


11-Nov-2008

licores-de-alcobaca

X Mostra Internacional

Doces&Licores Conventuais

Mosteiro de Alcobaça

13, 14, 15 e 16 Novembro de 2008

Para mais informações, consulte o site:

http://docesconventuais.terradepaixao.net/

01-Nov-2oo8

Passando por Alcobaça…

dsc00505dsc005031

Uma visita pela cidade, e não querendo fugir à tradiçao não podia esquecer a famosa doçaria conventual….[Em tempos, melhor estimada]. No entanto, há ainda quem estime e perserve a boa tradição. Quero falar-vos da “Pastelaria Alcôa”, assim intitulada.

Situa-se do lado oposto ao Mosteiro de Alcobaça. O fabrico, ainda rigoroso, cultiva as famosas cornucópias com doce de ovos e ainda, dando um enlevo histórico a D.Pedro e D.Inês dedica-lhes alguns caprichos gulosos.

ler mais em doces conventuais, link canto superior esquerdo.

Isto e muito mais poderá degustar nesta reconhecida pastelaria:

www.pastelaria-alcoa.com

29-Out-2oo8

dsc00440

Exposição: sala de risco (Largo da sé), Lisboa

Relembrando um artigo que já tinha editado sobre este grupo de designers, deu-se por fim a sua divulgação ao público.

Um trabalho muito interessante. Procurou sugerir a cima de tudo à pastelaria colectiva: semi-industrial Portuguesa uma virtude mais dinâmica, didáctica e actualizada , isto é, uma nova forma de apresentação da pastelaria do dia-a-dia, adequada a vários cenários: quer seja á la carte, quer seja dar uma ideia cultural, (exemplo disso é o bolo de castela), entre muitas outras sugestões.

dsc00446

Eis algumas formas que este grupo sugeriu.

Estas novas ideias e a história de cada bolo poderá ter acesso, através do livro publicado por este grupo.

http://www.fabricoproprio.net/livro-book/


23-out-2oo8

Óbidos


dsc00421

Ginjinha de óbidos, dsc004162

17-Out-2008

cynesthesia

Teclado sinestésico, segundo o compositor Alexander Scriabin

Cynesthesia = percepção, mais concretamente sobreposição de sensações: cheiros, cores e sons.

Um estudo recente, revelou que uma estudante de música na suiça conseguia saborear as notas através dos gostos: azedo, doce…,isto é, identificava a cada som um gosto.As papilas gustativas relembravam no cortex um sabor aquando da sua chegada do som…o que a deixava com “água na boca”. Esta ao sentir a nota idealizava/tornava-a na língua como que se de um sabor se tratasse. Esta doença, também possibilita a cada tipo de nota a aparição de uma cor.

No mínimo interessante, apesar de parecer confuso!

“Suddenly it was clear to me that the rain sounded blue,”, she said

Esta capacidade revela-se interessante, se não vejamos. Foram vários os autores que distinguiam esta “doença”, na poesia como uma figura de estilo: sinestesia ; na música a capacidade do encontro de um equilíbrio de notas musicais, através de uma estrutura: a pauta e, hoje em dia na cozinha fala-se na importância da música e do ambiente enquanto comemos.

16-Out-2oo8

Ingredientes da época ? ou fora dela…

É de salientar, que hoje em dia a importância das cores num prato se torna bastante “fácil”.  A disponibilidade de vários ingredientes, normalmente fora da época, proporcionam pequenas delícias atravez da percepção de várias cores fortes e ricas, que funcionam, muitas vezes como chamariz perceptual do que propriamente a importância ao gosto. Naturalmente, caminhamos para uma cozinha saudável e de origens, mas será correcto a persistência de certos alimentos, como o caso dos morangos, em Novembro?

Não seria mais interessante cultivar o “consumidor”/ Cliente com alimentos da própria estação e com isto ensinar aos mais novos a riqueza de certos alimentos  e a sua importância em comê-los maduros e suculentos? Existem tantas formas de diversificar uma receita adaptando-a à época…

4-out-2oo8

“A Matter of Taste –
Are there four tastes for five?”

Serão 4 para 5 texturas ou existem mais algumas que se confundem?

Temos supostamente no Ocidente quatro: o doce, salgado, amargo e o azedo. No entanto, Os Chineses, por exemplo, já distinguem cinco.  Este último, retratando-se como Pungente. [  Na realidade, é tão forte que antes do o provar o olfacto já o sentiu. Daí a sua importância.]

Esta forma realizada neste último sentido, prende-se com o facto de tanto a Filosofia Chinesa, Indiana, entre outras, estes os interligarem [os sentidos] aos 5 elementos – água, fogo, terra, metais e minerais.

Five spice powder,  trata-se de uma combinação básica de 5 especiarias, presente na cozinha chinesa [ canela / cássia; estrela de anis; gengibre; funcho em semente e cravinho] e, por sua vez esta combinação prende-se com a filosofia de yin/yang. Desta forma, a importância em cultivar estas especiarias como um tempero relembra os 5 sentidos/5 elementos que estes destinguem: doce(anis), salgado(cravinho), amargo(gengibre),azedo (funcho) e pungente (cássia, sendo este muito mais forte que a canela.)
Já na cozinha Indiana, nomeadamente pela filosofia Ayurvédica, estes também possuem uma combinação de especiaria, que também enquadram com os 5 elementos, sendo: sementes de cominhos, mostarda, fenacho, funcho e sésamo. Esta conjugação também se organiza numa escolha de apelo aos sentidos e em todos os gostos que devemos ter presentes na alimentação do dia-a-dia, para um bom funcionamento e bem-estar do ser vivo.

“To loathe the taste, of sweetness, whereof a little
More than a little is by much too much.”- Shakespear

28-Set-2008

Horta Comunitária

Mais uma vez uma iniciativa de alguns amigos e colegas de bairro. A experiência tem sido curiosa e muito divertida. Á partida, todos os alimentos Biológicos que temos estado a plantar vão ser para consumo dos próprios, nomeadamente: couves galegas, couves portuguesas; cebolinhas; nabiças chinesas; amendoeiras,entre outros, ervas aromáticas e chás. Vai ser um trabalho interessante e está a revelar-se muito entusiástico. Aquilo que pretendemos é acima de tudo ter vários ingredientes à disposição e sem adubos quimicos.

22-Set-2008

“Bocuse dans votre cuisine”- Les recettes et conseils d’un grand chef

Excelente livro. Do pouco que folheei este chef está no meu top. Aprecia o essencial da cozinha enquanto base, isto é génese. Nada é escolhido por acaso. É um jogo de saberes antigos e que exprime acima de tudo a tradição em manter a receita original. Também esta é uma vertente interessante deste cozinheiro. O seu rigor e vigorosismo nas suas receitas é extraordinário. Aqui passo uma das várias que este chefe oferece.

Clafoutis

temp de préparation: 20 min

temp de cuisson: 1h environ

four:180º

Ingredients pour 6 personnes: 200g de farine; 50g sucre en poudre; 30g de beurre; 3 oeufs; 5ooml de lait; 1 pincée de sel fin; 1 sachet de levedure chimique( qui sera à jouter à la farine dans la saladier)

Lavez soigneusement les cerises, essuyes-les avc un linge fin et propre, ôtez les queques, ne dénoyautez pas, gardaz les fruits en réserve.

Mettez le four á chauffer.

Versez la farine dasn un saladier, creusez une fontaine, ajoutez sucre, sel, oeufs et lait, melangez bien tout pour obtenir une pâte parfaitment lisse qui fasse ruban.

Ajoutez les cerises, melangez bien. Beurrez un moule à tarte à feu ou une tourtière de 24cm de diametre. Versez votre préparation à l’interireur, puis mettez au four pendant 45 min à 1h.

À la sortie du four, la cuisson étaint terminée, saupouvez de sucre em poudre pendant que le clafoutis est encore chaud. Servez chaud ou froid.

Esta receita tem uma aceitação muito favorável em qualquer hotel ou restaurante. Normalmente, alterna-se com fruta da época ou com o gosto do chefe. No entanto Bocuse, preferiu manter a receita tradicional que se faz com cerejas.

Paul Bocuse: wikipédia

http://en.wikipedia.org/wiki/Paul_Bocuse

9-Set-2008

Em ” Segredo de um cuscuz”…

Um filme autêntico e que ganhou o seu mérito, na minha humilde perspectiva [ enquanto cozinheira], pela importância ao caracterizar um prato como emblemático de uma vida familiar. Entregando-se ao seu destino/ limite da vida , a personagem principal decide no último instante realizar um sonho- Fazer de um barco remodelado um restaurante, com um prato muito especial- cuscuz (receita da sua ex-esposa). O interessante é que no decorrer da acção assistimos a uma proximidade enorme com esta família e, por isso “convivemos com eles”  a evolução da história de uma vida. A personagem, que quanto a mim foi dar mais ênfase a tudo- foi a personagem da ex-esposa, pois sem ela não haveria talvez a história de um cuscuz. Foi graças à sua paixão e ao seu amor por aquilo que fazia, que se destacava. O seu ” dom” ou por outras palavras “savoir faire”, o mistério que tinha na forma como executava aquela receita, fê-la ser reconhecida não só pela família, mas por quem provava.

Aqui deixo um link, através do qual poderá aguçar a sua curiosidade e apreciar uma boa crítica.

http://cinecartaz.publico.clix.pt/criticas.asp?id=198628&Crid=3&c=4540

7-Set-2008

Arte minimalista

O minimalismo engloba movimentos artísticos que têm como objectivo reduzir a pintura e a escultura ao essencial de uma abstracção geométrica. Esta arte acaba por eliminar a imaginação figurativa e um espaço pictórico ilusionista, em virtude de uma única imagem. Desta forma, é composta de partes mais pequenas e organizadas de acordo com uma quadrícula. Aliado a isto há uma tendência para uma composição matemática regular.

A esta evocação de uma “ordem” encadeia uma perspectiva de um sublime, inerente ao ensaio de uma geometria.

Seguindo esta nova tendêndia podemos aplicá-la na cozinha do mesmo modo. Quanto mais “limpo” de pormenores insignificantes, mais facilmente se caminha para a idealização de uma imagem única. Aqui deixo alguns exemplos de imagens.

31-Ago-2008

Atum- História do  [thunnus spp, família dos Escobrídeos,]

O Atum não se cinge apenas a uma espécie, mas sim a várias, tendo em comum todas o facto de pertencerem ao género Thunnus, pertencentes à família Scombridæ da qual também fazem parte a vulgaríssima cavala (Scomber japonicus) e a sarda (S. scombrus).

A mais vulgar de todas as espécies, pescada nas costas do Algarve – o atum vermelho do Atlântico (Thunnus thynnusL.). Espécie também conhecida pelo nome de rabil.

Em cozinha Japonesa, o atum toro ( parte da barriga do atum com mais gosto) é muito apreciado. Apesar de comido cru e se apresentar em vias de extinção, é muito saboroso e macio. No entanto, é necessário ter em conta um bom restaurante Japonês, para prevenir intoxicações alimentares. Em Sashimi ou sushi, carpaccio ou até mesmo picado (temperado com soja e juntando algum cebolinho picado) este peixe é fantástico.

29-Ago-2008

Banco de Tempo

http://www.adimac.pt/b_tempo.htm

http://www.graal.org.pt/Projectos/BancodeTempo.htm

Uma iniciativa louvável em ideais morais, de entreajuda e sem fins lucrativos. A preocupação do apoio social é um vínculo interessante.

16-Ago-2oo8

Miséria da vida Humana ou comédia da vida real?

-Isto é verídico apesar de ter sido escrito de uma forma meio fantasiosa. Quis interpretar esta situação como se de um teatro se tratasse, porque parece incrível como ainda hoje assistimos a episódios de fome grotescos no séculoXXI, em plena luz do dia!

Hoje assisti a uma peça satírica, irónica e brilhante. Hoje em dia há peças que nos tocam tanto, como esta a que assisti na vida real.

Passava-se na estação da amadora. A personagem principal era um vagabundo espanhol, tinha acabado de chegar de Espanha e dizia que Rico!( É verdade, mas nao percebi porque estava tão miserável)  Esta referência é importante, porque a caracterização da personagem é tão simbólica….Usava um chapéu de bailarino, tinha barba e alguma idade. No entanto, a sua existência parecia decaída e encontra-mo-lo agora, com um gozo enorme de viver e uma inteligência grande para mexer com os sentimentos das pessoas do senso-comum. Era pobre mas era inteiro e, num segundo ensinou a sobrevivência da vida humana.

Pano subiu

Acção: O vagabundo espanhol vasculhava no lixo a sua sobrevivência básica- comida. No meio do lixo, como se de magia se tratasse, encontrou uma cola e um pacote de batatas lays. (Parece rídiculo, mas foi verdade…)

No desenrolar da acção, os figurantes (pessoas do quotidiano) assistiam numa agitação e com muita atenção ao que este fazia, e lançavam horrorizados interjeições de espanto, incrédulos ( -Que horror!!// Não acredito que ele vai comer aquilo…//- Beark..). O “vagabundo contente” ( também é verdade, ele parecia que ridicularizava as pessoas …porque mostrou um ar superior enquanto fazia aquilo), retirou do lixo o seu sustento de mais um dia e saiu satisfeito, bailando passos de alegria enquanto se afastava (Também é verdade, com todo aquele aparato, ele parecia que dançava ao sair perto do caixote). Nisto, todos inebriados com tal feito “ridicularizavam” a situação. No entanto, quem saiu contente e os humilhou foi o próprio vagabundo com a sua pose e passos ritmáticos. Ele mostrou-lhes que ninguém mais conseguiu descer e fazer o mesmo que ele e, por isso choco-os. A sua satisfação foi tão grande, básica e simples que conseguiu humilha-los e deixa-los com sentimentos de culpa.

Nota: A sociedade em que vivemos critica mas não age. Inibe e reprime. Os sentimentos simples mostrados por um acto de luta pela sobrevivência, de uma necessidade básica – fome- atraiçoa-os.

A peça desenrrolou-se e o mendigo continuava a sua busca, agora de um desejo- um cigarro. Era tão simples e tão fácil. Bastava pedir. Já os tinha humilhado o suficiente, por isso isto seria uma forma “fácil” de pedir qualquer coisa.

Entretanto…

Entra russo imigrante (talvez….não sei precisar a sua nacionalidade…apenas tinha traços fortes e vigorosos). Este fumava. O mendigo aproxima-se, na sua aparência ingénua e inteligente, pede-lhe um cigarro, este entregou-lhe o seu, ou seja um “meio cigarro”que se encontrava a fumar. O mendigo, por seu turno obedeceu e aceitou. No entanto, não satisfeito, com uma “ meia ponta”, insiste na procura. E então vendo um naive a fumar, tão próximo da sua realidade interior, aproximou-se. Só que desta vez, a história desenrrolou-se ao contrário. O mendigo não conseguiu mostrar a sua ingenuidade, porque se encontrava perante um ingénuo. Eram tão limpos os dois. No entanto, aproximou-se esperando que com a sua “miséria triste”, (que já tinha comovido o suficiente enquanto vasculhava no lixo) este lhe arranjasse um cigarro. Só que este deu-lhe outra opção.

Entre poucas palavras disse-lhe: “ não dou cigarros mas tenho isto” …E retirou da sua bolsa uma sandes, que por  acaso* ( será que a sandes já tinha sido pré-destinada?) era só o seu almoço…Este meio perplexo, aceitou.

Conclusão: A fome psicológica do fumo…é um direito, e como qualquer Ser Humano tem a dignidade de pedir seja o que for.

E como que se de uma peça se tratasse… esta é a realidade em que vivemos. Como vive um cozinheiro sabendo que existem pessoas que vivem nesta condição? Será que caminhamos para um mau-estar em sociedade? Existem ainda muitas pessoas com dificuldades financeiras e de fome!

21-jul-2008

Tasca Portuguesa vs Ideal de Tasca nos Tempos Modernos

Tido por muitos como um espaço bem típico da maneira portuguesa…pela entrada estreita, suja, com alguns mosquitos e moscas a pairar sobre as mesas e um pesado cheiro a vinho tinto e a fritos…é aqui o único sítio que se consegue comer na essência da tradição. No entanto, hoje em dia estes espaços pecam pela falta de rigor em determinadas matérias, nomeadamente H.A.C.C.P; Gestão de Qualidade, Food Cost e conhecimento ao nível de Microbiologia Alimentar. Assim, tornam-se alvos de fáceis inspecções e facilmente acabam por ir à bancarrota.

Algumas são as pequenas empresas que hoje em dia abrem com uma visão diferente. É o caso de “Tasca Lusa”, que tomou este conceito tão ao gosto portugês, que decidiu cativar clientes pelo seu gosto pela tradição. É neste apelo aos sentido da tradição, que começa a grande aventura pela cozinha tradicional…Para um cozinheiro, não há melhor trabalho que o de seduzir e cativar admiradores pelo simples “olhar do olfacto”[  já dizia o poeta, Fernando Pessoa]. Este percurso será, o princípio de uma grande empatia.

14-Maio-2008

A importância dos volumes

Hoje em dia, a disposição dos ingredientes no prato é muito importante. Especialmente no que concerne ao volume. Derver-se-à sempre dar uma perpectiva aglomerada e não distanciada. Dizem os entendidos, que quantos menos espaços assimétricos existirem melhor será para os olhos não se perderem. Deste modo, quando observamos algo, se estiver tudo uniforme, dará uma noção do belo mais rapidamente do que se estivesse tudo desnivelado. Estas noções para além de puxarem pela psicologia humana, enfatizam ideais mais espontanêas de um raciocínio limpo. Será o superficialismo uma razão mais forte para um “não-pensar”, uma fácil ideia de comodismo, ou será  que é no caos que nos organizamos melhor?

13-Maio-2008

Penha Longa

www.penhalonga.com

Já há algum tempo que não escrevo, o meu estágio tem sido muito intenso. Muitos saberes, muitas ideias e muitas perspectivas de uma cozinha “futurista”. São estas características que mais tenho apreendido no hotel. Há que ser criativo e acima de tudo ter uma mente proactiva, isto é, uma apreensão do todo para poder pormenorizar em detalhes.

01-Fev-2008

A teoria dos q.b’s

Há alguns dias discuti com alguns colegas acerca desta temática. Definitivamente é o que mais me fascina na cozinha. A “conspiração” dos sabores e a sua alternância e ou anulamento vão encaminhar desde o início a confecção de um prato. Quer isto dizer, que não só importa a qualidade dos alimentos mas a experiência que cada um passa, e esta irá influênciar o percurso de cada um na cozinha. É graças a este “individualismo socializado” que cada um irá encontrar a sua corrente artística e criar o seu próprio estilo.

5-Dez-2007

Doces conventuais

Recentemente elaborei um trabalho sobre os doces conventuais, nomeadamente sobre o aparecimento do açúcar, a ida das mulheres para os conventos, etc. No entanto, achei que a internet tinha pouco conteúdo acerca deste tema. Seria interessante, para quem gostasse de participar, contribuir com algumas histórias ou mesmo receitas destes doces tão portugueses e com isso criar um forúm de discussão. Brevemente abrirei um novo link ( doces conventuais), para mais informações envie o e-mail para: deliciarte@sapo.pt

Saudações gastronómicas.

17-Nov-2007

Cacao Sampaka

cacau-sampaka.jpg

Uma revelação crescente e tentadora, são estas pequenas delícias que o c.c. das Amoreiras nos oferece.

Elegante e subtil o chocolate entranha-se e apodera-se das nossas papilas com a promessa de um retorno de um cacau amargo envolto em morangos e rosas, especiarias e um tentador e lânguido gelado amargo com baileys.

Isto e muito mais, a não perder, na nova chocolateria do Amoreiras no 2º piso.

07-Nov-2007

tao.net

Este espaço irreverente, recentemente inaugurado em Queluz monte-abrãao, propõe aos mais novos uma nova visão de vida – ” Sem álcool, sem fumo e 100% saudável para todos!” e  distingue-se também como “Cybercafé”.

Ideal para um convívio saudável, o espaço propõe uma gama variada de chás, que contemplam a paz interior e a harmonia.

Para mais informações: http://taonetcybercafe.blogspot.com/

31-Out-2007

picture4-157.jpg

Halloween

Seguindo uma antiga tradição do povo anglo-saxónico, o “Dia das Bruxas” realiza-se já em numerosos países. Comemora-se fazendo diabruras e ganhando goludices.

Trick-or-Treat?

Apesar de não seguir à risca todo o “protocolo” Americano, resolvi experimentar fazer a sopa de abóbora servida dentro da abóbora. E que descoberta! Afinal, a abóbora parece conservar a sopa bem quentinha, durante horas. Foi uma noite maravilhosa!

14-Out-2007

fisiologia-do-gosto.JPGFisiologia do Gosto”, de Savarin Brillant

Quando passei pela Fnac do colombo à tarde, encontrei este célebre livro! Já há algum tempo que o andava para encomendar, qual não é o meu espanto de ver vários volumes empilhados!

Tratando-se de uma “bíblia dos epicuristas e gastrónomos” esta obra reflecte essencialmente a introdução da cozinha como uma ciência, isto é, o que hoje entendemos por Gastronomia molecular. Daí, a sua importância ao nível não só dos sentidos, pelo prazer da descoberta, mas também pelo extase filosófico quo o autor propõe, pela reflexão da comida enquanto arte e divina.

04-Out-2007

katafi.jpg 26050_crispy_shrimp_in_kataifi_crust.jpg

Massa KADAIf

Hoje em dia, muitos são os chefes que  utilizam esta magnífica massa de trigo flexível para envolver certos ingredientes, tais como camarões, legumes e alguns tipos de carne.

Esta tradição chegou-nos da Grécia e/ ou Turquia em que utilizam estes fios adocicados a enfolver frutos secos e fruta ,guarnecidos com xarope,dando origem a este doce tão típico. No entanto, é também utilizado em pratos salgados, como carne de borrego, frango, entre outros. Neste caso, a massa está liberta de açúcar sendo só pincelada em manteiga clarificada e levada ao forno envolta em legumes ou mesmo frita, dando um toque estaladiço e irreverente a qualquer prato simples.

24-Set-2007

Chocolate em Cascais

Mais uma iniciativa do C.C de Cascais, que promete aliciar os mais gulosos pelo mundo do cacau.

Esta exposição irá decorrer nos dias 18,19 e 20 com demonstrações práticas, conferências e degustações.

Para mais informações:

www.ochocolate.em.cascais.com

15-Set-2007  pastel-de-nata.jpg

Vai um Pastel de Nata?

Há alguns dias recebi um e-mail de um grupo de designers que pretende eleborar um livro bilingue no âmbito do “Fabrico Próprio: O Design da Pastelaria Semi-Industrial Portuguesa”.

Desde já os meus parabéns e felicitações!

Este livro pretende reunir provas vivas de quanto a nossa doçaria viajou pelo mundo. Por isso, necessita de fotos da nossa pastelaria espalhadas pelo mundo inteiro, de Hong kong a Londres, até Sydney, isto é, provas vivas do quanto somos reconhecidos ao nível da nossa Doçaria Nacional.

Para mais informações visitem este site : http://www.flickr.com/photos/fabricoproprio/

10-Set-2007  confit.jpg

Confit de pétalas de Rosa

São várias as receitas orientais que abordam esta fascinante combinação.  A sua origem talvez se deva ao facto, de as rosas, como outras flores quaisquer, emanarem um aroma fresco. Isso levou muitos orientais, nomeadamente Indianos e turcos a realizarem numerosos pratos e compotas com pétalas.

30-Ago-2007

subtilezas-gastronomicas.jpg José Bento dos Santos em “Subtilezas Gastronómicas”

De facto, devo confessar, tenho um enorme fascínio por este autor, que nos brinda agora, com este fantástico livro com dicas e receitas esplendorosas.

Caracterizado por Engenheiro, produtor vinícula na Herdade www.quintadomontedoiro.com é um autêntico Gastrónomo Português.

Recentemente apresenta na RTP o programa ” O Sentido do Gosto”. Programa de um alto teor cultural Gastronómico, visto que o autor disseca os produtos em análise, desde a sua origem à passagem pelo mundo e as suas consequentes aplicações culinárias. É também, por si só, um óptimo comunicador e orador que nos consegue prender do príncipio ao fim.

17-Ago-2007  ratatuille_poster1.jpg

“RATATOUILLE!”

Uma hilariante comédia a não perder!
Este filme conta a história de um Rato que aspira a ser chefe de um restaurante parisiense.  Uma descoberta enternecedora, tanto para espectadores como também para os  percursores desta Arte antiga.
Desvendando o caminho que cada um terá de fazer para alcançar seu “Sonho”, pois é este, segundo alguns,  que comanda a vida, revela-nos com isso a sua maravilhosa aventura que nos leva à busca do sonho que existe em cada um de nós.
Uma fantástica aventura pelo fascinante mundo da cozinha que irá conquistar pequenos e graúdos, a não perder! http://cinema.sapo.pt

A hilarious comedy you can’t miss!
This picture tells us the story of a Rat who wants to become a parisian restaurant’s Chef. A moving discovery for both viewers and followers of this Ancient Art.
Unravelling the path each one must take to reach their dream, for this is, according to some, what commands life, the nice Rat reveals his wonderful adventure that takes us to the quest of the dream that exists in every one of us.
A great adventure through the fascinating world of cooking that will conquer children and grown-ups. A must see.

12-Ago-2007   770px-chocolate.jpg

Conta a história que o chocolate tem 3000 anos. Este doce afrodisíaco e viciante, que ganha forma hoje em dia pelo nome de chocolate, era, na época dos Maias e Aztecas, conhecido como “xocolatl”. Delicioso e frutado, amargo, ou mesmo cremoso, faz as delícias de qualquer um.

Um pouco de história… Os antigos povos do México cultivavam o cacau e consumiam-no após moer uns pequenos grãos deste fruto e acrescentando um pouco de água, daí advém o seu nome – “xocolatl=água amarga”. Inicialmente bebido, hoje em dia o chocolate ganha forma em várias categorias: amargo, semi-amargo, chocolate de leite, chocolate branco, enfim… há numerosas formas de o apresentar.

Vai uma sugestão? Prendas e ideias fantásticas que poderá ver neste site com o famoso Chocolate: www.chocotelegram.com.pt. Deixe-se contagiar.

According to history, chocolate is 3000 years old. This aphrodisiac and addictive sweet that we now know as chocolate was, at the time of the Maias and Aztecs known as “xocolatl”. Delicious and fruity, bitter, or creamy, it makes every mouth water.

A bit of history… The ancient peoples of Mexico grew cocoa and consumed it after grinding some of its grains and adding a bit of water. Hence the origin of its name “xocolatl=bitter water”. Inicially consumed as a drink, nowadays chocolate is presented in several categories: bitter, semi-bitter, milk chocolate, white chocolate… a neverending number of ways to present it.

Suggestion, anyone? Wonderful gifts and ideas that you can see in this website, featuring the famous Chocolate: www.chocotelegram.com. Let yourself go.

19-Jul-2007
O Prazer Sensorial • The Sensorial Pleasure
Hoje em dia a componente psicológica está intrinsecamente ligada aos sentidos. Quer isto dizer que, não interessa só compôr um prato, há também que avaliar todo o conjunto e captar o que pode ou não fazer a diferença entre comer com prazer e não só por mera satisfação primária.  Exemplo disso é uma bolacha mole relativamente a uma crocante. Psicologicamente, o cérebro responde a este estímulo “crocante” com um maior prazer do que a uma bolacha mole.

Nowadays, the psychological part is greatly connected to the senses. This means that it’s not just the composition of a dish that matters, we also need to evaluate the whole set and understand what may or may not make the difference between eating with pleasure or for sheer basic satisfaction. An example of this is a soft cookie compared to a crunchy one. Psychologically, the brain responds to this “crunchy” stimulous with greater pleasure than to a soft cookie.

01-Ago-2007
Cozinha do Futuro – A “Cozinha Científica” está em voga • Cuisine of the Future – “Scientific Cuisine” is now en vogue.
Esta descoberta das várias formas de se compôr um prato por vários Químicos e Gastrónomos — nomeadamente, Ferran Adriá, Hervé This e Nicolas Kurti—, leva-nos a questionar: O que é que já não é possível fazer em Cozinha? Bem, de facto são infinitas as criações do Homem. As contínuas descobertas levam-nos a superar aquilo que pensávamos impossível. É o caso dos tão mediatizados “caviares de sabor”, por Ferran Adriá.
Estas gelatinosas “ovas”, conseguidas através de uma preparação de Alginatos e cálcio, já são bem conhecidas pelo meio farmacêutico. No entanto, as suas aplicações e proezas em culinária, eram desconhecidas.

– Cuisine of the Future –
“Scientific Cuisine” is now en vogue.
This discovery of the various ways of composing a dish by several Chemists and Gourmets — namely Ferran Adriá, Hervé This and Nicolas Kurti —, makes us wonder: what is it that cannot yet be done in Culinary? Well, in fact, man’s creations are infinite. The continuous discoveries make us overcome what we thought impossible. This is the case of the famous “flavour caviars”, by Ferran Adriá.
These gelatinous “spawns”, made by means of a preparation of Alginates and calcium, are well know in the pharmaceutical means. Yet, their possibilities in culinary were unknown.

24-Jun-2007
Ontem assisti a uma máxima artística espantosa na Quinta da Regaleira.
Nunca me tinha impressionado tanto com arquitectura. Aconselho a todos passarem por Sintra e verem bem de perto esta construção.
O que mais me impressionou foi a Perfeição. Hoje em dia poucos lhe dão importância e, quando o dão, são considerados “idiotas”. Será a estética e o equilíbrio das formas alguma doença?
A meu ver, hoje tudo se quer em massa e de preferência bem rápido! Tudo o que aprendemos é melhor esquecer e, por isso, a verdadeira Arte não se cultiva, dissipa-se. E os grandes mestres morrem

Yesterday I saw an amazing artistic precept in Quinta da Regaleira.
Never had I been so impressed by architecture. I recommend to you all that you go to Sintra and take a close look at this site.
What impressed me the most was Perfection. Few are those who care for it nowadays  and, when they do, they are considered “idiots”. Is aesthetics and balance of the shapes some kind of disease?
The way I see it, today all is wished for in massive quantities and, preferably, quick. All we’ve been taught we better forget it and, therefore, true Art isn’t cultivated, it vanishes. And the great masters die.

24-Jun-2007
“O Olfacto é uma vista estranha”
Há uns dias atrás vi esta reflexão e achei que assentava, sem dúvida, na Arte Culinária. Apesar dos vários aromas sentidos num só prato, cada um deles evoca os vários sentidos de forma distinta. Num só fôlego sente-se uma gradação crescente, do mais bruto para o mais ameno. E todo este equilíbrio “Hierárquico de aromas” flutua no nosso subconsciente e dá asas a uma nova construção.

“Smell is a strange sight”
A few days ago I came across this consideration and thought that it definately fit Culinary Art. Although we can have several different flavours in one dish, each one of them evokes our various senses in a distinct way. In a single breath we can feel a crescent gradation, from the roughest to the smoothest. All this “hierarquical balance of flavours” floats in our subconscious and gives wings to a new creation.

OLÁ, PESSOAL!
Esta página surgiu do meu gosto por criar , por isso, tudo o que virem fui eu que inventei. Não está nada de especial pois, foi tudo antes do curso… agora já não tenho muito tempo!:D ainda bem!

HI, EVERYONE!
This page came out of my fondness for creating. This said, all that you will see here is my creation. It’s not much because it was all before my course… now I don’t have that much time! =D and I’m glad it is so!

5 responses to “Artigos anteriores…

  1. Bom trabalho, agora continua, não percas o andamento.
    Mete umas receitas japonesas à mistura que é capaz de ficar bem.
    Até à próxima…..

  2. Estou muito contente por teres o teu site, linda =) Espero que te traga muitos clientes e contactos importantes ;o)
    JTM

  3. Olá ritinha!!! tudo bem ctg? Tens aqui um belo blog…. dá noticias, la por eu tar em vila real nao me esqueço de ti!!beijos

  4. Fantástico..nao paras de me surpreender =)

  5. Rita, o blog tá muito criativo e , como tens jeito para escrver os textos tão mt interessantes =) (pronto, tá contente com o comentário? LOL) bjinhos gdes

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s