Doces Conventuais

Será aqui o espaço que irei começar a desenvolver sobre doces conventuais.
Para os leitores que gostarem de participar, por favor deixem o vosso comentário ou artigo no final desta página.

Alcobaça, Mosteiro
dsc00498
dsc00518

Gastronomia e doçaria em Alcobaça, segundo mapa do concelho:
dsc00713
Sopas: Sopa de Lagosta, Misturadas e Massada de Peixe
Peixe: Cherne à Frei João
Carne: Frango na Púcara
Doces: Delícia de Frei João, Pudim de S.Bernardo, Queijadas do Bárrio; Cornucópias de doce de ovos, Gradinhas de Alcobaça, Tacinhas à Dom Abade, Maçã de Alcobaça
Introdução
Este tema irá revelar a história dos doces conventuais enquanto enquadramento Histórico-Gastronómico. Quer isto dizer que pretendo avivar de quão importante é esta doçaria, para reconhecermos hoje o legado que os nossos conventos e a nossa gastronomia nos proporcionam nos nossos dias. O desvendar do saber e prática antigos irá revelar mais do que um simples modo de vida. Será mais uma das muitas descobertas do século xv que levou os portugueses à busca de novos caminhos e, com isso, à chegada da rota do açúcar e especiarias do Oriente e do Brasil.
Doçaria conventual: abordagem Histórico-Gastronómica

O açúcar como produto alimentar precioso do século xvi

Trazido do Médio Oriente em meados do século xi, o açúcar veio conhecer o seu apogeu a partir do século xv em Portugal. Primeiramente, tendo a sua venda restrita só em boticários (daí que se falasse popularmente “é como um boticário sem açúcar”), este produto medicinal de reputação e virtudes raras sempre estigmatizou certos médicos e moralistas. No entanto, em Portugal, raros foram os protestos contra esta culpabilização paranóica do açúcar como “destruidor da vida amorosa” ou de “afecto ausente”. Deste modo, rapidamente se deu o seu sucesso entre os reis e gente dotada de grande riqueza. E foi assim, instituindo-se nos conventos como forma de se redimirem dos seus sinceros pecados e/ou de os reciclar, que se convencionou que seria necessário pernoitar aquando de longas viagens ou peregrinações. À medida que se foi dando a consolidação das fronteiras, deu-se um crescimento destas “grandes fábricas de almas” e, deste modo, a facilidade em que estes mosteiros foram erigidos para determinar o domínio da Fé, mandaram-se fazer grandes banquetes e festas em prol de refeições dignas e de forma a poder dar uma continuidade monástica e familiar. A agregação à determinação divina fez com que recorrentemente se juntassem mesmo para festejar os mais diversos eventos: festas de aniversário do rei, rainha, princesas, etc. Assim, quanto mais se rezava mais se comia e mais entusiasmo se gerava à volta da mesa. Desta forma, as boas esmolas deixadas nestes banquetes permitiram um maior alcance de alimentos diferentes e raros. A boa cozinha teve tudo para vingar nos mosteiros e daí o seu alastramento por todo o país.

A entrada das mulheres nos conventos

Muitas foram as mulheres que sofreram na pele, como forma de pagamento ao Senhor, a absolvição dos pecados familiares, pela sua entrega à Fé e ao recolhimento espiritual. Quer isto dizer que muitas famílias confiavam um membro da sua família por um benefício espiritual. No entanto, muitos foram os casos escandalosos de famílias ricas que mandaram para os conventos as suas segundas filhas ou as que não casavam até determinada idade. Desta forma, a entrada na casa religiosa era precedida de uma doação exclusivamente para subsistir e habitar no convento. Desta forma, os conventos não eram em nada paupérrimos. Antes pelo contrátrio, avolumavam grandes quantias de capitais quer por doações eternas, heranças, quer de bens alimentares ou de familiares que entregassem os seus entes queridos e a sua consequente mensalidade. De qualquer das maneiras, a entrada para os conventos era mais uma forma de fugir ao maldizer da sociedade, quer fossem romances com maus finais, complicações na vida leiga, viuvez, etc. Assim, rapidamente foi crescendo nos mosteiros uma grande população de monjas.

O excesso das romarias A saudável situação económica que os mosteiros passaram a viver levou a que se fizessem grandes excessos. Nomeadamente, um tempo de relaxamento para uma vida de castidade dando azo a uma vida virada para a gulodice, afastando-se dos princípios pimordiais de Fé e oração. Desta forma, as noviças passaram a viver nos mosteiros com uma grande liberdade e uma vida boémia o que muitas vezes incitou a relações escandalosas dentro dos próprios conventos. Por isso, a partir de 1791, D. Maria i tomou medidas moralizadoras, pela proibição de se aceitarem mais freiras noviças até nova alteração.

Doçaria conventual: abordagem Histórico- Gastronómica

A Doçaria nos banquetes e festas

A quantidade de refeições que os mosteiros passaram a proporcionar aos seus hóspedes fez com que, acima de tudo, se tomasse o gosto por refeições prolongadas e luxuosas. A partir de então, cada vez mais o empenho das noviças em preparar hábitos refinados e exigentes passou a servir de troca em forma de grandes esmolas, conseguindo assim aumentar a necessidade para a transacção lucrativa. Desta forma, começou a desenvolver-se um ambiente propício ao prazer da mesa e uma necessidade crescente de as freiras ficarem reconhecidas pelos seus grandes dotes culinários e conseguirem com isso aumentar também o prestígio do mosteiro. Assim, começaram a surgir alguns mosteiros que se destacarm, nomeadamente o Convento do Paraíso, em Èvora.

Doçaria conventual: abordagem Histórico-Gastronómica

Convento do Paraíso

convento-de-n-s-do-paraiso.jpg

(foto antiga do mosteiro , agora destruído)

Fundado em 1450 por dominicanas, devido ao sistema de emparadamento de três irmãs nobres de apelido Galvoas, este convento passou à terceira Ordem de S. Domingos em 1499. Um grande benemérito desta casa foi D. Álvaro da Costa, conselheiro do rei D. Manuel.

Doçaria conventual: abordagem Histórico-Gastronómica

nossa-senhora-do-paraiso.jpg

(Imagem da escultura oferecida)

O nome do convento advém de uma oferta de uma escultura da virgem, por uma dama eborense, de nome: D. Isabel Afonso. Foi uma das últimas casas monásticas, tendo sido fechada em Novembro de 1897, depois da morte da sua prioresa, soror Maria Isabel do Coração de Jesus.

Receita do Convento

Bolo real do Paraíso

bolo-real-do-paraiso.jpg

(Esta receita pertence ao receituário do Convento do Paraíso de Èvora)


Doçaria conventual: abordagem histórico gastronómica

Existem várias receitas deste bolo, sendo esta uma delas.

Ponha 500gr. de açúcar em ponto de cabelo e retire do lume para juntar a 250 gr. de amêndoas raladas. Junte 15 gemas de ovos, sendo 5 com claras. Leve a mistura ao lume até fazer castelo pequeno. Retire do lume e misture 200 gr. de pão ralado. Trabalhe esta mistura e junte a canela. Unte uma forma com manteiga, polvilhe com farinha e deite a “espécie” que não deverá chegar até às bordas da forma. Leve ao forno em lume brando.

Crítica:

Apesar da dificuldade de execução, pois exige um grande controlo dos tempos e temperaturas certas de cozedura, este doce parece surpreendente. A sua aplicação varia entra 2 a 3 receitas diferentes com os mesmos ingredientes, se seguirmos diferentes temperaturas, o que demonstra a diversividade de confecção.

Alguns pormenores a ter em conta são bater enérgicamente com as varas até fazer o castelo pequeno e não deixar cozer muito a “gemada”. Quanto ao final, a degustação é óptima. A boa ligação da tríade gemas-amêndoa-pão ralado é fantástica.

7 responses to “Doces Conventuais

  1. Pingback: hello world « Delici’arte’

  2. adorei seu artigo. sou turismólogo e estou pesquisando sobre os doces brasileiros , sua origem e sua atual situação. caso tenha mais informaçõe ssobre os doces conventuais, favor me envie . obrigado.

  3. Boa tarde. Sou estudante de turismo e por acaso estou a realizar um trabalho sobre doces conventuais. gostei bastante do seu artigo estava bastante esclarecedor e pormenorizado. os meus sinceros parabens

  4. Achei o artigo muito interessante, estou em busca de material e este é o assunto do meu trabalho de conclusão de curso.

  5. Parabéns pelo artigo…
    Sou apaixonada pelos doces portugueses e procuro algum curso de doces conventuais de curta duração. Saberias me informar de algum aí em portugal??

  6. Ouvi dizer que como as freiras usavam muitos ovos, sobravam gemas e parA não jogar fora faziam doces.

Deixar uma resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

WordPress.com Logo

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Log Out / Modificar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Log Out / Modificar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Log Out / Modificar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Log Out / Modificar )

Connecting to %s